Izaías Bueno de Almeida, líder do conjunto “Izaías e Seus Chorões”, o mais antigo conjunto instrumental de São Paulo, destacou-se desde criança como solista de bandolim. Já aos dezesseis anos de idade começou a se apresentar na extinta TV Tupi (canal 3) em um programa destinado exclusivamente aos jovens, e aos dezoito anos foi contratado pela mesma emissora, como copista.

Simultaneamente, acompanhava calouros tocando no Regional de Mauro Silva ou em outros conjuntos. Foi chefe de conjunto em programas realizados pela TV Bandeirantes, e atuou também na TV Record, com o Regional da Caçulinha. Como bandolinista, seu primeiro solo de destaque foi em 1956 na mesma TV Record (Noite dos Choristas), com o choro “Saudações”, de Otávio Dias Moreno. Outro momento de grande importância em sua carreira como solista foi em 1986, no MASP, interpretando a “Suíte Retratos”, de Radamés Gnattali com a então chamada Orquestra Jovem (hoje Orquestra Experimental de Repertório), sob a regência do Maestro Jamil Maluf. Ainda com o Conjunto Regional de Mauro Silva, participou da estréia da extinta TV Excelsior, tocando com exclusividade até 1963 no Programa Brasil 60, acompanhando todos os cantores contratados, tais como Nelson Gonçalves, Silvio Caldas, Orlando Silva, Dalva de Oliveira, Ataulfo Alves e Aracy de Almeida, entre outros. Atuou nessa emissora até sua extinção, em 1969.

Esse envolvimento com a televisão levou-o a atuar em programas que fizeram história, como “O Fino da Bossa” e “Bossaudade”, na TV Record, quando teve a oportunidade de atuar com Elis Regina e Elizete Cardoso. Paralelamente passou a tocar como solista com o famoso Conjunto Atlântico, para o qual também fazia arranjos. Essa atuação foi gravada em discos e registrada na série “História da Música Popular Brasileira”, publicada pela Editora Abril.

A “Enciclopédia da Música Brasileira - Erudita e Folclórica” também traz verbete específico sobre o conjunto e seus instrumentistas. O “Conjunto Atlântico” foi substituído pelo de “Izaías e seus Chorões”, e nos trinta e tantos anos de trajetória, ambos abrilhantaram muitos programas da TV Cultura, tais como o “Choro das Sextas-Feiras”, “As Muitas Histórias da MPB”, “Ensaio”, “A Alegria do Choro” e “Os Sons da Memória”.

Fizeram também inúmeras apresentações ao vivo, acompanhando alguns pianistas consagrados como: Eudóxia de Barros, Arthur Moreira Lima, Laércio de Freitas e Marco Antonio Bernardo, os cantores Nélson Gonçalves, Inezita Barroso, João Dias, Ângela Maria, Chico Buarque de Holanda e outros. Entre essas apresentações é oportuno lembrar que o conjunto teve excelente atuação no Teatro Municipal de São Paulo, durante as comemorações dos trinta anos de carreira de Waldyr Azevedo. Em dezembro de 1998 o conjunto apresentou-se em Mendoza, Argentina, representando o Brasil em um encontro de músicos representativos dos países do Mercosul.

Izaías Bueno de Almeida é autor de diversas composições, como os choros “Tão Só”, “Prantos”, “Correndo da Chuva”, “Dona Nêga”, etc. Algumas recentes atuações em discos incluem os CDs “Toninho Carrasqueira toca Patápio & Pixinguinha” e “Carinhoso”, ambos de 1996. Gravou três LPs: “O Fino do Bandolim”, “O Regional Brasileiro na Música dos Beatles” e “Pé na Cadeira”, este último tendo sido relançado como CD pelo selo Kuarup.

Atualmente, com o “Conjunto Izaías e Seus Chorões”, apresentou-se em programas como: “Ensaio”, “Metrópolis”, “Canal Rural”, “Viola, Minha Viola”, “Rumos Culturais (Itaú Cultural)”, “Fundação CESP”, vários projetos do SESC (capital e interior) e da UMES, bem como apresentações nas cidades de Tatuí, Indaiatuba, Campos de Jordão (32º Festival de Inverno), Diadema, Taubaté, São Pedro, Rio de Janeiro (Centro Cultural do Banco do Brasil), Santo André, Piracicaba, Botucatu, Campinas e também na Rádio Boa Nova de Guarulhos e Rádio Trianon de São Paulo.

Em 1999, juntamente com o com o “Conjunto Izaías Entre Amigos”, gravou o CD “Quem Não Chora Não Ama”, que recebeu o “Prêmio Movimento da Música Popular Brasileira” como melhor disco instrumental do ano.

Apresentou-se, com seu conjunto e a Orquestra de Câmara São Paulo, no Teatro São Pedro e no Sesc Ipiranga, como solista da “Suíte Retratos”, de Radamés Gnatalli. O show, além de ter sido longamente aplaudido, teve grande repercussão na TV e na mídia impressa.

Em 2003, Izaías apresentou-se na Espanha com o Conjunto Chora Madeira no Festival de Navarra. Nesse mesmo ano, participou das gravações da Coletânea de Paulo Vanzolini (4 CDs), que recebeu o Prêmio APCA como melhor trabalho da Música Popular Brasileira.

Em novembro de 2004, apresentou-se no Teatro Municipal de São Paulo com seu Conjunto e a Orquestra Sinfônica Municipal, solando a Suíte Retratos de Radamés Gnatalli, com grande sucesso.

Em 2005, lançou três CDs contando a história do choro, pelo selo CPC-UMES.

Paralelamente ao trabalho com seus Chorões, participa do Conjunto Moderna Tradição, que lançou um CD muito elogiado pela crítica e pelos amantes da boa música brasileira. Em 2006, foi convidado pelo Instituto Jacob do Bandolim para participar do show de lançamento do álbum “Tocando com Jacob”, ao lado de grandes bandolinistas brasileiros, no Teatro Carlos Gomes, no Rio de Janeiro.

Em agosto de 2007, tocou na Alemanha, primeiramente em Hannover e a seguir em Colônia, quando foram promovidas diversas apresentações em estações de rádio, televisão e teatros.